Vila Real recebeu primeira reunião da Rede de Cooperação dos Espaços Protegidos

esprotegidos Vila Real foi a cidade escolhida para acolher a 1ª reunião da Rede de Cooperação para a “Gestão Activa de Espaços Protegidos e Classificados” (GAEPC), uma rede informal organizada pelo Programa Operacional Regional do Norte (ON.2 - O Novo Norte) que, entre outros objectivos, pretende colocar em evidência o potencial de desenvolvimento sustentável dos espaços de maior qualidade ambiental da Região Norte.

Contrariando uma ideia preconcebida de incompatibilidade/antagonismo entre o Desenvolvimento e a Conservação da Natureza e dos valores ambientais, pretende-se criar essa oportunidade e financiar as iniciativas dos promotores e parceiros beneficiários que cedo perceberam que esta temática, mais do que um constrangimento, é uma oportunidade de desenvolvimento dos seus territórios.

A Rede de Cooperação pretende criar uma dinâmica de grupo entre os promotores e os parceiros beneficiários que aderiram a este desafio de integrar a Rede, para que esta sinergia entre todos potencie ainda mais o trabalho individual de cada um e, ao mesmo tempo, crie um novo paradigma no desenvolvimento dos espaços de maior qualidade ambiental da Região Norte.

Na primeira parte da reunião, que decorreu na Biblioteca Municipal, estiveram presentes o Gestor do Programa Operacional, Eng. Carlos Duarte, que referiu a excelente oportunidade proporcionada pela constituição da Rede, como forma de melhorar a execução física e financeira dos diversos parceiros e beneficiários, com vantagens claras na promoção e valorização dos recursos dessas áreas protegidas. O Vereador do Ambiente da Câmara Municipal de Vila Real, Eng. Miguel Esteves, que saudou a iniciativa do Programa Operacional para a formação da Rede de Cooperação, afirmando o empenho do Município de Vila Real na promoção e conservação da biodiversidade, traduzida pelo compromisso assumido na execução das candidaturas “SEIVACORGO” e “Proteger é Conhecer”, que integram o Programa de Preservação da Biodiversidade de Vila Real, actualmente em curso. Referiu igualmente a emergência do tema e a necessidade imperiosa de trabalhar afincadamente para inverter os cenários mais pessimistas que auguram uma clara perda de biodiversidade a nível mundial, com as consequências negativas que tal situação acarreta. Frisou igualmente que a conservação da biodiversidade encerra um valor insofismável para as populações locais, que podem tirar partido da biodiversidade para impulsionar o seu desenvolvimento.

Durante a tarde, os participantes na reunião puderam observar in loco o desenvolvimento dos trabalhos do Programa de Preservação da Biodiversidade. Na primeira parte foi dado a conhecer as tarefas relacionadas com a preservação do património genético, pelo Professor António Crespi, da UTAD. Na segunda parte, a Professora Paula Seixas apresentou alguns resultados da investigação realizada no campo durante o Verão, acerca da borboleta azul, uma das espécies emblemáticas do Sítio Alvão/Marão e do Parque Natural do Alvão. A reunião terminou com um encontro num agente económico e um dos Associados da Associação Parques Com Vida, patrono de uma espécie emblemática da região, a Casa Lapão. Nesta fase foi explanada a característica mais diferenciadora dos projectos da biodiversidade, que se prende com o envolvimento dos agentes económicos na preservação do património natural.