Caminho Português Interior de Santiago é «coluna vertebral» para valorizar território

caminho_santiago A Marcação e Dinamização do Caminho Português Interior de Santiago foi protocolada, a 7 de Abril em Vila Pouca de Aguiar, por Autarcas das oito Câmaras envolvidas nesta parceria inter-regional que abrange mais de 160 quilómetros de território português e que integra várias entidades de turismo e bispados regionais, que também marcaram presença na sessão protocolar.

Viseu, Castro Daire, Lamego, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Vila Real, Vila Pouca de Aguiar e Chaves vão desenvolver, através de meios próprios, acções de limpeza e sinalização do Caminho de Santiago inserido nas suas respectivas áreas geográficas.  As limpezas, marcações e pontos de interesse com sinalética temática serão feitas por recursos humanos/logísticos de autarquias envolvidas.


O autarca anfitrião sublinhou que este Caminho de Santiago é a «coluna vertebral para desenvolver o nosso território» para o qual prevê «um aumento do fluxo turístico» e, adiantou Domingos Dias, o percurso vai passar «por muitas aldeias que precisam de ser dinamizadas».

O especialista Arlindo Cunha dissertou sobre o Caminho Português Interior de Santiago, lembrando aos presentes que «este caminho de Viseu a Chaves já foi o mais procurado para quem vinha do Sul» no seguimento da Via da Prata, designadamente para quem vinha da região de Sevilha.

Este docente deu pormenores sobre locais, monumentos, imagens e elementos religiosos que podem ser encontrados com a dinamização deste caminho «que os municípios resolveram desentulhar» e «dar vida a este caminho muito belo, de paisagens e silêncios».

Os Caminheiros de Vila Pouca de Aguiar anunciaram que «estamos prontos a fazer este caminho». Alfredo Teixeira lembrou o exemplo espanhol em que «passamos por aldeias, vemos monumentos e apreciamos os produtos locais» e «daqui também queremos fazer o percurso até Santiago» que dura entre oito a dez dias a ser feito.

A palestra da TUREL sobre «A Importância dos Caminhos de Santiago para o Turismo», a exposição de fotografia «O Nosso Caminho», pela DIAFRAGA, e o livro de António Sá-Gué «ULTREIA! CAMINHO SEM BERMAS» integraram as iniciativas desta sessão protocolar que culminou com produtos regionais presenteados.