Encontro Nacional de Fotografia e Cinegrafia de Natureza em Vila Real

cinegrafia a cinegrafia a cinegrafia a cinegrafia a

PROFISSIONAIS DA FOTOGRAFIA TÊM UM PAPEL FUNDAMENTAL NA CONSERVAÇÃO DE NATUREZA

A fotografia tem um papel de destaque na conservação da biodiversidade. Esta é a ideia-chave do Encontro Nacional de Fotografia e Cinegrafia de Natureza, que proporcionou também momentos para encantar os amantes da natureza e inspirar novas gerações de fotógrafos. Organizado pelo município de Vila Real, o evento apresentou o trabalho dos melhores fotógrafos de natureza a nível nacional.

"Somos por excelência o destino da biodiversidade e queremos espelhar as externalidades positivas do nosso vasto património natural". Estas foram as palavras de Miguel Esteves, vereador com o pelouro do Ambiente na Câmara de Vila Real, na abertura do Encontro Nacional de Fotografia e Cinegrafia de Natureza, no último sábado, dia 27 de julho. Organizado pelo município de Vila Real, o evento reuniu fotógrafos profissionais e amantes de natureza de todo o país, com o objetivo de promover a biodiversidade através da fotografia e realçar a importância da fotografia nos dias de hoje.
"Numa era cada vez mais mediática e efémera, a fotografia, enquanto forma de comunicação, assume um papel fundamental", pelo "imediatismo e a rapidez de partilha" que proporciona, referiu Lino Silva, fotógrafo de Vila Real que participou no encontro com a apresentação "Formar jovens fotógrafos em Vila Real".
No total, foram 17 os oradores que mostraram o melhor dos seus trabalhos e contaram as suas experiências como fotógrafos, quer a nível de vivências, quer a nível técnico e de materiais. Além disso, foi também uma forma de criar e manter o espírito de colaboração entre os profissionais com vista à preservação da natureza.
"A maior parte das pessoas nunca viu ao vivo muitas das espécies de fauna e flora que existem, mas graças à fotografia tiveram oportunidade de conhecer espécies novas e raras", comentou João Carrola, professor da UTAD, durante a sua apresentação "A fotografia: arte de comunicar a investigação científica".

"inteligência, paciência e tempo"
A fotografia de natureza não é tão simples como possa parecer. Para se tirar uma boa fotografia de natureza é preciso, antes de mais, paciência, destacaram a maioria dos oradores. "Mais do que conseguirmos a nossa fotografia, é importante não prejudicar o bem estar do animal, já que o nosso objetivo é a conservação da natureza", disse André Brito, que encerrou a manhã do encontro com a apresentação "As aves noturnas".
Falando sobre o tema "A fotografia na conservação da natureza", Luís Quinta reforçou o papel da fotografia na função de sensibilização das pessoas para questões ambientais: "A fotografia pode e deve ser encarada também como um alerta para problemas de poluição, já que muitas espécies alimentam-se de restos de lixo deixado ao acaso e que acabam por morrer".
Em síntese, "a fotografia é encarada como uma ferramenta fundamental para a sensibilização da população", referiu o vereador Miguel Esteves ao citar que "uma imagem vale mais do que mil palavras". Aproveitando a conhecida citação, Rogério Rodrigues, do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, lembrou que "para se conseguir essa imagem é necessário inteligência, paciência e tempo".
O evento proporcionou também a oportunidade de admirar belezas cénicas, onde o relevo, dimensão e textura nascem ante os nossos olhos, sobre a luz criativa dos fotógrafos, com vista à conservação do património natural.
No final do encontro ficou uma certeza: "Estamos a realizar o primeiro Encontro Nacional de Fotografia e Cinegrafia de Natureza e queremos continuar este trabalho por muitos mais anos", afirmou Cláudia Guedes, da Câmara Municipal de Vila Real e responsável pela organização da iniciativa, ao concluir: "Foi sem dúvida uma aposta ganha".
O encontro realizou-se no âmbito do Programa de Preservação da Biodiversidade, desenvolvido pela Câmara Municipal de Vila Real, em colaboração com a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).